A homeopatia é um ramo da medicina que ganha cada vez mais adeptos. A sua eficácia e benefícios são cada vez mais procurados. Os pais procuram para os seus filhos soluções que não passem por antibióticos e substâncias que, ao invés de aumentarem as defesas, debilitam cada vez mais o sistema imunitário e acarretam efeitos colaterais.

Este espaço foi criado para partilhar informações, conhecimentos e orientações no mundo da homeopatia. São inúmeros os recursos a que os utilizadores têm acesso: sugestões de bibliografia e sites de interesse, informações sobre medicamentos homeopáticos, espaço para dúvidas, esclarecimentos e pedidos de ajuda.
Com a saúde não se brinca e, por isso, nunca poderemos dispensar a ajuda de um médico, este blog serve apenas de apoio.




Homeopatia

Tempo frio exige medidas de protecção redobradas - Homeopatia para Crianças e Bebés

Tempo frio exige cuidados com a saúde 2010-12-29

Perante a vaga de frio prevista para os próximos dias a DGS recomenda que sejam tomadas as seguintes precauções:

Verificar a manutenção dos equipamentos utilizados para aquecimento antes de os utilizar e limpar a chaminé da lareira;
Se utilizar lareiras, braseiras, salamandras ou equipamentos a gás mantenha a correcta ventilação das divisões de forma a evitar a acumulação de gases nocivos à saúde. Desta forma evitará a ocorrência de acidentes por monóxido de carbono que podem ser causa de morte;
Não utilizar equipamentos de aquecimento de exterior em espaços interiores (habitação, café, restaurante);
Antes de se deitar ou sair de casa certifique-se de que apagou ou desligou os equipamentos de aquecimento, de forma a evitar fogos ou intoxicações;
Tenha especial atenção com os idosos e crianças para evitar queimaduras.
Os mais vulneráveis ao frio são:

Crianças;
Idosos;
Doentes crónicos, principalmente com problemas respiratórios, cardio-vasculares ou anemias;
Os sem-abrigo;
Pessoas cuja habitação tenha mau isolamento térmico.
Proteja-se:

Use várias camadas de roupa adequadas à temperatura ambiente;
Proteja as extremidades do corpo (use luvas, gorro, meias quentes e cachecol);
Ingira bebidas e alimentos quentes mas evite bebidas alcoólicas, com cafeína e não fume.
Para mais informação consulte as recomendações neste site ou ligue para a Linha Saúde 24 (808 24 24 24).

retirado do site http://www.dgs.pt/

O que é a Homeopatia?

Homeopatia (do grego ὅμοιος + πάθος transliterado hómoios- + páthos = "semelhante" + "doença") é um termo criado por Christian Friedrich Samuel Hahnemann (1755-1843) para designar um método terapêutico cujo princípio está baseado na similia similibus curantur ("os semelhantes curam-se pelos semelhantes").
O tratamento homeopático consiste em fornecer a um paciente sintomático doses extremamente pequenas dos agentes que produzem os mesmos sintomas em pessoas saudáveis, quando expostas a quantidades maiores. Os medicamentos homeopáticos são preparados por um processo que consiste na diluição sucessiva da substância, agitação e "dinamização" (ou "potencialização"), em uma série de passos. (retirado e adaptado Wikipédia)

O que é o medicamento homeopático?

Os medicamentos homeopáticos são preparados a partir de substâncias extraídas da natureza, provenientes dos reinos mineral, vegetal ou animal.
Para que a substância da natureza seja usada como medicamento homeopático, é necessário prévio conhecimento de sua potencialidade curativa, através da experimentação no homem são. Tais substâncias podem ser tanto tóxicas quanto inertes, desde que, quando experimentadas, ofereçam a melhor similitude aos sintomas da doença a ser tratada.

As preparações básicas dessas substâncias recebem o nome de tinturas-mãe e a partir delas são iniciados os processos das diluições sucessivas.

No início de suas experiências, Hahnemann começou diluindo os medicamentos e verificou que, quanto mais diluía, minimizavam-se as reações indesejáveis. Percebeu também que ao fazer diluições sucessivas das substâncias e agitá-las diversas vezes, obtinha sempre melhores resultados, foi assim que ele chegou às doses mínimas. Desta maneira, a toxicidade das substâncias é atenuada e o potencial curativo é aumentado.
Ao processo de diluição seguido de agitação, damos o nome de dinamização (dynamis- vem do grego e significa força). Através da dinamização, se consegue despertar na substância a capacidade de agir sobre a força vital do organismo vivo.
(retirado do site http://www.amhb.org.br/popup2.htm)


Princípios em que assenta a Homeopatia


A homeopatia assenta em três princípios:

1º - SIMILITUDE OU LEI DA ANALOGIA

Procura-se a semelhança entre o quadro de queixas (designado sintomatologia) apresentado pelo paciente e o equivalente (similia) da substância homeopática, administrada experimentalmente ao homem são em doses "tóxicas" e que se chama patogenesia.

2º - INFINITESIMALIDADE

Dar substâncias muito diluídas (em doses infinitesimais) desprovidas de toxicidade, que agem como um catalisador por processos de biorres-sonância, amplificando os mecanismos homeostáticos do organismo.
A partir da 12ª diluição centesimal, segundo a lei de Avogadro, já não encontramos moléculas da substância e daí a ausência de iatrogenicidade.
A diluição pressupõe uma agitação (sucussão), que se designa por dinamização, sem a qual o efeito é nulo.

3º - GLOBALIDADE

Encarar o doente no todo, o que leva à sua individualização (e do remédio/similia), definir a sua constituição (parte "estável" do indivíduo), o seu temperamento (parte dinâmica e variável) e observar as suas reacções patológicas (ou "homeostáticas).


De acordo com estes princípios, o medicamento que actua pela qualidade e não pela quantidade: usa-se a energia da matéria e não a sua massa; segundo a lei da conservação da energia de Einstein - numa reacção nuclear em que há desaparecimento de uma massa M, há aparecimento de uma quantidade de energia E, ou seja, quanto mais se divide a matéria, mais energia se obtém.

(adaptado do site Sociedade Homeopática de Portugal http://www.homeopatiaportugal.org )


Verrugas - Homeopatia para crianças e Bebés

Ant-crud: Verrugas duras e com saliência em forma de espinho, sobretudo na sola dos pés (corniformes e duras).

Dulcamara: Verrugas muito grandes com forte sensibilidade.

Causticum: Um dos remédios mais frequentes. Verrugas mais frequentes nas mãos, ou à volta das unhas, neste caso são duras, corniformes, serrilhadas. Também podem ser moles e salientes. Localizadas igualmente na cara, sobretudo no nariz e nas pálpebras.

Moluscos que surgem após se ter frequentado piscinas. É muito importante tomar um duche muito completo de todo o corpo eliminando assim de forma mecânica os vírus.

Os remédios mais importantes para as verrugas causadas por moluscos após ter frequentado uma piscina são: Dulcamara e a seguir Thuja. Também Calc-phos, Sepia e Silicea são frequentes.

Amigdalite aguda- Homeopatia para Crianças e Bébes

Diferencia-se entre a angina vermelha e a branca
Vermelha = quando não apresenta placa
Branca = quando aprsenta placa
Angina vermelha = não parsenta placa:

Belladonna: toda a garganta se apresenta muito vermelha. Mucosas muito secas, muita sede de bebidas frias. A cara aprsenta-se vermelha e a pele está húmida. A Febre começa de forma súbita e violenta. As pupilas dilatam-se. Sensação de aperto na garganta, dificuldade em engolir, mas com necessidade de engolir, sede de água fria, mas com receio de beber, devido à dor que provoca. Sensação de arranhar na garganta. Bell – Ocorre entre as 16 e as 24 horas.

Ferrum phosphoricum: remédio importante em combinação com Bell (ou Apis) no início de inflamação de garganta.
(Quando se acorda durante a noite com dores de garganta, colocar imediatamente um glóbulo de Ferr-phos debaixo da língua).

Apis: Inchaço edematoso da úvula. A úvula apresenta-se pendurada como um saco de água. Coloração rosa das amígdalas e da úvula. Não tem sede ou apenas tem sede de bebidas frias. Agrava-se com calor ou durante a noite. Melhora com o frio, compressas frias e ar fresco. Dores queimantes e acutilantes, mais do lado direito. Não consegue engolir bebidas quentes.

Arsen: As mesmas características que Apis, mas o calor melhora. Necessidade de calor em todas as formas. Ardor e secura da garganta. A criança está receosa e inquieta.

Phytolacca: Sobretudo os arcos palatoglossos frontais têm uma coloração vermelho escuro. Típico: as dores ao engolir irradiam para o ouvido. A criança puxa o queijo para o peito ao engolir, tem dores musculares. Tudo se agrava ao beber bebidas quentes, a criança apenas quer beber líquidos frios. É um remédio sobretudo do lado direito. Febre alta sem suor e sem vermelhidão e calor assinalável da cara. A cabeça com tendência para estar pálida. Fraqueza mas necessidade de se mexer. Sensação de abatimento total. Secura ardente e com picadas permanentes na garganta. Também pode apresentar pus.


Esquema de tratamento:

No início da inflamação e vermelhidão dissolver em água Bell e Ferr-phos (= 2 glóbulos de cada remédio em duas garrafas de plástico de 33,3 ml diferentes ou 2 copos de água. De hora a hora é dado uma gole ou uma colher de líquido (utilizar uma colher de plástico) e agitar bem a garrafa, pelo menos três vezes ou mexer bem o líquido no copo com a colher de plástico. Os remédios não são dados em simultâneo, uma vez é dado um e uma hora depois é dado o outro.
Quando a dor de garganta começa durante a noite, é suficiente colocar 1 glóbulo Ferr-phos debaixo da língua e de manhã dissolver os remédios em água e começar o tratamento descrito em cima.
Se mais tarde surgem as imagens dos remédios Phyt, Lyc, Lachesis, dar esses remédios.

Blefarite (inflamação das pálpebras / Conjuntivite (inflamação da conjuntiva): Homeopatia para crianças e Bebés

Blefarite (inflamação das pálpebras / conjuntivite (inflamação da conjuntiva):

Uma boa combinação no tratamento da blefarite (= Inflamação do bordo da pálpebra, os olhos de manhã ao acordar estão com pus e colados) é: Puls e Graph alternadamente. Limpar os olhos com água morna na direcção do nariz.

Remédios na conjuntivite: (= inflamação dos olhos, na qual o branco do olho está vermelho). Frequentemente verifica-se uma combinação de blefarite e conjuntivite.

Apis: Conjuntivas vermelhas. Pálpebras inchadas de forma edematosa e como sacos de água. Conjuntiva saliente e grossa. Grande inchaço à volta dos olhos. O inchaço pode ser de tal forma grande que fecham completamente os olhos. Dores em forma de picada e com ardor que melhoram com algo fresco.
Inchaço das pálpebras inferiores ou com pequenos papos debaixo dos olhos. Lágrimas quentes e abundantes. Frequentemente afecta de forma mais severa o olho direito. Os bordos das pálpebras estão sensíveis e provocam dor. Melhora com ar fresco, tomar um banho frio e movimento.

Arg-nit: Conjuntivite também em recém-nascidos. Infecção da conjuntiva que está tão vermelha como carne crua. Frequentemente: Secreções viscosas e com pus. Os cantos dos olhos interiores e as pálpebras estão vermelhos e inchados. Forte inchaço das conjuntivas. Melhora com frio e aplicações frias.

Arsen: Conjuntivite aguda (também alérgica, febre dos fenos). Lágrimas e outras secreções dos olhos ardem e são corrosivas. O corrimento queima de tal maneira, que queima a face e causa zonas queimadas ou um eczema. Edema das pálpebras, sobretudo da pálpebra inferior ou por debaixo da pálpebra inferior. Edema à volta dos olhos. Catarro crónico e corrosivo dos olhos e nariz como na febre dos fenos, que provoca feridas nos olhos e nas narinas. Globo ocular quente ou com sensação de queimar. Surgem de forma periódica. Melhoram com calor, tapar, colocar algo quente sobre os olhos.

Bell: Os olhos estão secos, vermelhos e dolorosos, brilhantes, cintilantes, salientes e com pupilas dilatadas e olhar fixo. Vermelhidão dos olhos como tomates. Dores com ardor, que melhoram com esfregar os olhos. Sensibilidade à luz. Agrava-se com o calor do sol, correntes de ar na cabeça, cortar o cabelo, fechar os olhos. Melhora com abrir os olhos, esfregar os olhos.

Euphrasia: Inflamação dos olhos, sobretudo da conjuntiva, com forte vermelhidão e inchaço, especialmente das bordas das pálpebras, com comichão, ardor, secura e sensação de corpo estranho, que obrigam a piscar os olhos. Grande sensibilidade à luz. Lágrimas abundantes, olhos molhados, como que banhados em lágrimas. Corrimento lacrimal abundante, quente, queimante ou mordendo, pior ao ar livre, deitado ou quando tosse. As zonas molhadas pelas lágrimas têm o aspecto de estar cobertas com verniz. Secreções grossas que ardem e de cor amarela, que podem colar os olhos durante a noite. O corrimento do nariz é normalmente suave. Quer esfregar os olhos. Sensação de ter areia nos olhos. Sensação de ter pimenta nos olhos. Melhora com ar fresco, esfregar os olhos e no escuro.

Puls: Provocada por vento frio, chorar muito, frequentemente em combinação com a dentição, em constipados, irritação dos olhos após nadar em piscinas, água com cloro. As secreções são suaves, grossas, abundantes e de cor amarelo esverdeado, mas as lágrimas são irritantes e queimam. Comichão e ardor dos olhos. Pálpebras inflamadas e coladas, sobretudo de manhã ao acordar. Agrava-se com vento frio. Melhora ao ar livre, lavar com água fria, frio.

Sulphur: Conjuntivite alérgica crónica, recidiva com ardor, comichão, lágrimas quentes, melhora ao ar fresco. Secreções amarelas que colam os olhos. Dores cortantes e com ardor como provocadas pela areia. Agrava-se com o lavar, calor, calor da cama. Melhora com ar fresco e movimentos.

Silicea: Problemas nos cantos dos olhos, na zona do canal lacrimal. Crianças com problemas, inflamações ou fístulas no canal lacrimal, secreção com pus. (complemento = completa Puls).

Calc-sulf: Conjuntivite em recém-nascidos com secreção dos olhos grossa e amarela. Olhos colados de manhã. Comichão e ardor nos olhos, pior de manhã ao acordar. Pálpebras vermelhas e com comichão.

Graphites: Conjuntivite também de origem alérgica. Pálpebras coladas de manhã. Corrimento de lágrimas quente e que provoca ferida, com tendência para blefarite massiva. Gretas dolorosas nos cantos dos olhos. Pálpebras vermelhas, inchadas, inflamadas, secas, cobertas de crostas. Cantos dos olhos exteriores inflamados ou gretados.

Kali-bi: Os olhos estão sempre vermelhos, inchados, húmidos e com água. Dor relativamente fraca ou sensibilidade à luz. Conjuntivite com o típico muco amarelo e formando fios.

Sabadilla: Pálpebras vermelhas e ardendo. Ardor nos olhos. Olhos com água e inchados. Corrimento de lágrimas em movimento ao ar livre ou ao olhar para objectos brilhantes ou ao olhar para o fogo. Frequentemente acompanhado de comichão no canal auditivo externo, ataques de espirros violentos e corrimento de lágrimas, muco abundante, suave e aquoso e comichão e cócegas no nariz.
Excelente remédio para a febre dos fenos.

Thuja: Oftalmia dos recém-nascidos com secreção amarela esverdeada, melhora com calor. Conjuntivite provocada pela vacinação. Olhos cheios de lágrimas, que não correm ao longo das faces, mas que ficam nos olhos. Pálpebras secas, com escamas nas bordas. Eczema seco e com escamas nas pálpebras, Pálpebras secas.
Blefarite: as pestanas caem. Treçolhos recidivos ou sequelas dos mesmos: endurecimento, causando uma protuberância ou um quisto.

Merc-sol: Vermelhidão, corrimento de lágrimas, secreções ralas e que provocam ferida, que podem colar bastante os olhos. Agrava-se com o frio, humidade e à noite no calor da cama.


Esquema de tratamento:

Na combinação de blefarite e conjuntivite normalmente são suficientes os remédios Puls e Graph alternadamente. Quando esta combinação não ajuda dentre de 2 dias, dar nesse caso Graph e Merc-sol.
Numa conjuntivite violenta sem blefarite os remédios mais importantes são: Apis e Arg-nit.

Diarreia - Homeopatia Crianças e Bebés

Hoje vamos falar dos remédios homeopáticos adequados para a diarreia.
Como se define diarreia?
Considera-se diarreia quando há um aumento do número habitual de evacuações, ou quando há uma diminuição da consistência das fezes, podendo ocorrer ambas as alterações simultaneamente. O intestino delgado e grosso, funcionam absorvendo e excretando líquidos, iões e nutrientes. Alterações nestes processos, com diminuição da absorção associado a um aumento da secreção, pode causar diarreia.
Quais os mecanismos que provocam a diarreia?
São vários os mecanismos que levam o organismo a desenvolver diarreia:
• quando uma substância está presente no intestino e não é absorvida, puxando água dos tecidos para o interior do tubo digestivo. Exemplo deste mecanismo de acção da diarreia são os laxantes; os antiácidos com magnésio e alguns alimentos, contendo sorbitol, manitol ou xilitol;
• quando determinados agentes estimulam a secreção intestinal. Estão incluídos neste mecanismo bactérias, vírus e parasitas, tanto por invasão como por inflamação da mucosa que reveste o intestino delgado ou pela produção de toxinas que também estimulam a secreção de fluidos.
• doenças inflamatórias que estão normalmente associadas a lesão da mucosa do intestino e que afectam principalmente o intestino grosso. As infecções intestinais são a principal causa da diarreia inflamatória. Outras causas são as doenças inflamatórias intestinais (doença de Crohn e colite ulcerosa), doenças do sistema auto-imune, radioterapia etc;
• por alteração da motilidade do intestino. Doenças afectadas por este mecanismo devem ser consideradas quando outras causas forem afastadas. A síndrome do intestino irritável, a diarreia do doente diabético ou o hipertiroidismo, são exemplos de diarreia por alteração da motilidade do intestino.
Qual é a diferença entre diarreia aguda e diarreia crónica?
Na maioria dos episódios de diarreia aguda tem a duração de alguns dias até uma semana. Em termos médicos designa-se como aguda à diarreia com duração inferior a três semanas. Este tipo de diarreia é habitualmente benigna e auto-limitada, isto é, não são precisos medicamentos para a sua resolução. Diversas causas, incluindo a intoxicação alimentar (a causa mais comum), as infecções, reacções a medicamentos e algumas doenças inflamatórias, são os principais responsáveis por episódios de diarreia aguda. Normalmente desaparecem apenas com tratamento sintomático, ou seja, com medicamentos para a hidratação e eventual dor associada.
As diarreias crónicas duram mais do que três semanas. É vasta a lista de doenças que leva a este tipo de diarreia, que habitualmente necessita de exames complementares de diagnóstico para identificar rigorosamente a sua causa. As doenças inflamatórias intestinais, os tumores ou algumas infecções podem estar na sua origem.
Quais são as complicações da diarreia?
A desidratação é a complicação mais comum e mais perigosa entre as crianças e os adultos que perdem uma grande quantidade de fluidos pelas fezes, particularmente quando está associada a vómitos ou não há reposição de líquidos. Doentes com desidratação ligeira podem começar a sentir sede ou apenas a boca seca. Por seu turno, a desidratação moderada a grave, pode levar a uma hipotensão com desmaio, motivado pela diminuição brusca da pressão arterial sanguínea pela redução do volume de sangue.
Também a perda de electrólitos pode estar associada à diarreia aguda ou prolongada. As deficiências mais comuns são o défice de sódio e potássio. Poderá ainda haver uma irritação ao nível do anus devido à passagem frequente de substâncias irritantes contidas nas fezes.
Como é que se sabe qual o tipo de diarreia em causa?
Certos sintomas ajudam no esclarecimento da causa da diarreia. Quando o intestino grosso está afectado, a diarreia é de menor volume e, às vezes, pode surgir sangue ou muco. Frequentemente, existe dor na parte inferior do abdómen, que melhora com a defecação. Desconfia-se de afecção do intestino delgado quando as fezes são em grande quantidade e a dor é tipo cólica, geralmente em torno do umbigo.Alguns dados da história do doente são importantes para estabelecer o diagnóstico. A história recente de viagem, a ingestão de determinados alimentos, o uso recente de alguns medicamentos o contacto com outras pessoas com sintomas semelhantes, o emagrecimento e a febre orientam o médico a chegar à causa da diarreia.O exame físico completo é importante, nomeadamente a medição da pressão arterial e a pesquisa de sinais de desidratação, são imprescindíveis em qualquer doente com diarreia aguda ou crónica. (texto retirado do site http://mobile.medicoassistente.com/modules/smartsection/item.php?itemid=142)

Remédios Homeopáticos


Fundamentalmente: Quando a criança tem diarreia não dar leite, iogurtes, doces e sumos. Não obrigar a comer. Beber muita água ou chá de funcho. Caso a criança tenha fome, dar banana, maçã crua ralada, tostas torradas „Zwieback“, arroz cozido em água. “Quando o rabinho está vermelho, aplicar farinha maizena”.

Veratrum album: Corpo gelado. Diarreia aquosa, sem cheiro ou com pouco cheiro, antecedido de cólicas fortes e espasmódicas na barriga. Esvaziamento violento com tendência para colapso. Grande exaustão. Suores frios e abundantes, sobretudo na testa. Agravam-se com o mais leve movimento e ao beber bebidas frias, melhora com o calor e ao beber bebidas quentes. Necessita de beber água gelada, a qual é imediatamente vomitada. Má disposição ou vómitos violentos em grande quantidade e ao mesmo tempo diarreia (Arsen). Eventualmente saliva abundante. Membros frios. Quer calor. Diarreia após ter comido legumes.

Podophyllum: Um dos remédios mais frequente na diarreia. As fezes são expelidas com flatulência. As fezes são expelidas de forma explosiva. As fezes disparam como de uma boca-de-incêndio. Libertação de gases de forma ruidosa. Fezes cheiram horrivelmente, esguicham, sem dores ao expelir as fezes, amareladas, castanhas ou esverdeadas, surgem sobretudo logo de manhã cedo. Sede de grandes quantidades de água fria. Estado geral da criança pouco afectado. Frequentemente a diarreia agrava-se depois de comer ou beber, sobretudo após fruta e leite. As dores de barriga melhoram se a criança se enrolar (Coloc). Frequente durante a dentição.

Arsenicum album: Diarreia após ter comido fruta ou gelados ou ter bebido bebidas frias. Diarreia escura, cheirando muito mal (ao contrario de Veratrum,) com ardor e provocando ferida, agrava-se após comer ou beber, sobretudo bebidas frias. Expele apenas pequenas quantidades de fezes líquidas, que provocam grande fraqueza. A fraqueza não é de forma alguma proporcional à relativamente pequena quantidade de diarreia. Aplicações quentes melhoram as dores ardentes no recto. Tem grande sede mas bebe em pequenos goles. Corpo gelado, quer estar bem tapado. Diarreia e vómitos simultaneamente (Veratrum). Fezes apresentam alimentos não digeridos, muco, fezes são expelidas esguichando. Crianças medrosas, inquietas e fracas. Vomita com frequência mas com grande esforço. Agrava-se com bebidas frias.

Croton tiglium: Diarreia “explosiva” como em Podoph., mas não cheirando mal. Fezes aquosas e amareladas. Muitos rumores antes de expelir as fezes. Fezes amarelas, aquosas ou em forma de papa e claras. Expele as fezes de forma súbita, explosiva e em grandes quantidades. Flatulência. Frequentemente ardor no ânus, náuseas violentas, vómitos. Agrava-se: a seguir a ter comido ou bebido qualquer coisa. Diarreia de Verão nas crianças (sobretudo quando não suportam leite). Grande cansaço. Agrava-se com a ingestão da mais pequena quantidade de alimentos.

Chamomilla: Diarreia aquosa, rala ou espessa, quente, com ardor, que provoca ferida, cheirando a ovos podres, como também os gases. Verde ou amarela esverdeada como ovos mexidos ou como esparregado. Barriga em forma de tambor. Dores de barriga. Cara muito vermelha, a criança puxa as pernas e chora desenfreadamente. Frequentemente na altura da dentição. Geralmente: Nervosismo com mau humor e hipersensibilidade. Crianças marotas, que se acalmam um pouco quando andam com elas ao colo. (Discrepância entre a intensidade do estado objectivo e o seu estado de espírito visível). Frequentemente: uma face vermelha e quente, a outra pálida e menos quente. Sede.

Bryonia: Diarreia acastanhada, abundante, com ardor e por vezes cheirando mal e com sensação dolorosa do ânus. Língua seca e com placa. Sede de grandes quantidades em grandes intervalos. Diarreia após bebidas frias (sobretudo quando são ingeridas quando a pessoa está muito quente). Diarreia de Verão. Típico: qualquer movimento agrava a diarreia. Melhora com bebidas frias, aplicações frias e com descanso.

Ac-nitr: Por causa de ter tomado antibióticos.


Plano de tratamento:

Na maior parte dos casos, Podoph é o primeiro remédio. Caso a diarreia seja acompanhada de vómitos, acrescentar imediatamente também Ip e dar alternadamente.

Queimadura solar/ Insolação/ Ferimentos/ Intervenção dentista - Homeopatia para Crianças e Bebés

Queimadura solar: Apis, Bell, Canth
Insolação: Aconit, Bell, Gels, Glonoinum
Ferimentos nos dentes: Arnica, Hyper, Symph, (Tintura mãe de calendula)

· Intervenções no dentista:

Arnica: antes e depois da intervenção.
Hyper: quando, durante o tratamento, é ferido um nervo.
Staph: quando foi feito na gengiva um corte com vários cm.
Symph: quando a raiz do dente foi extraída.
Ham: quando fica uma ferida grande, dolorosa e a sangrar.
Calend: quando fica uma ferida de rasgão – contusão dolorosa.

Ferimentos/ Feridas: (12 importantes remédios na ocorrência de ferimentos)- Homeopatia Crianças e Bebés

Apis: Picada de insectos, reacção alérgica a medicamentos.
Arnica: Após ferimentos com objecto não cortante: traumatismo cerebral, ferimento da coluna, contusão do osso do nariz, contusão da cabeça, entorse, distorção, contusão, antes e após extracção de dentes e operações.
Arsen: Picadas de insectos venenosos, intoxicações alimentares, alergia a medicamentos.
Calendula: Feridas de rasgão – contusão, feridas em forma de ziguezague, com perda de tecidos.
Cantharis: Queimaduras com bolhas grandes.

Hamamelis: Arranhões, esfoladelas.
Hypericum: Ferimentos dos nervos, dedo entalado, pedra que cai em cima do dedo do pé, queda sobre o cóccix.
Ledum: Ferimentos profundos e afiados provocados por animais (mordedura de gato), plantas, pregos, soco no olho ou em volta do olho.
Rhus-tox: Luxação das articulações e ferimentos dos músculos e tendões, sobretudo devido a esforço físico, acompanhado de transpiração e depois arrefecimento.

Ruta: Luxação das articulações ou ferimentos dos músculos e tendões (sobretudo dos tendões flexores) e do periósteo.
Staphisagria: Ferimentos provocados por objectos cortantes (faca, vidro, papel).
Symphytum: Propicia a cura após fractura de ossos em combinação com Calc-phos. Ferimentos do globo ocular devido a pancada.

Enjoos Náuseas e vómitos- Homeopatia Crianças e Bebés

é a expulsão activa do conteúdo gástrico pela boca. O vómito é ao mesmo tempo um sinal e um sintoma bastante desagradável que pode assustar muito a pessoa atingida. Pode ocorrer nas doenças do labirinto, nas intoxicações, nas obstruções intestinais e como resposta do organismo a dores muito intensas.

Náusea ou enjoo é geralmente uma sensação de desconforto no estômago que nos dá uma urgente vontade de vomitar.
A náusea é uma defesa do organismo, já que nos prepara para o vômito e para a expulsão de substâncias que nos podem estar causando problemas ao organismo. Exemplo: quando consumimos grande quantidade de bebidas alcoólicas.
A náusea é um sintoma geral e inespecífico, que chama a atenção para um problema do organismo que nem sempre é facilmente detectável. As náuseas podem melhorar evitando-se a ingestão de alimentos sólidos e através da utilização de antieméticos.
Existe também a náusea de origem psicológica, como aquela que ocorre quando vemos alguma coisa repugnante, pode ser também tonturas repentinas. É a forma da consciência subjectiva de dizer que não aceita aquilo.
Deve-se diferenciar a náusea resultante da cinetose ou labirintite (é uma doença que se caracteriza pela sensação de enjoo ou náusea quando se anda em qualquer meio de transporte, ou se movimenta o corpo de forma inabitual, perturbando o sistema vestibular responsável pelo equilíbrio.) por ter tratamento distinto.
http://pt.wikipedia.org/wiki/N%C3%A1usea

Veratrum album: Enjoo pronunciado e sensação miserável no estômago, ao qual seguem vómitos violentos e prolongados. Vómitos pioram a seguir a ter bebido (sobretudo bebidas frias) e devido a movimentos. Espasmos no canal digestivo. Corpo gelado, palidez da cara, suor frio e abundante, sobretudo na testa. Tendência para colapso. Grande secura da boca, medo. Agrava-se com o mais leve movimento e ao beber bebidas frias, melhora com o calor e bebidas quentes.

Tabacum: Enjoo grande e “mortal” com saliva abundante, tonturas, tendência para vomitar e suor frio. Tonturas com perturbação da visão e zumbido nos ouvidos (= importante característica para diferenciar de outros remédios), com enjoo. As tonturas melhoram após ter vomitado. Necessidade de se despir e de se expor ao ar fresco. Destapa a barriga. Não tem sede. Corpo gelado. Cara muito pálida. Agrava-se com o mais leve movimento, em espaços quentes e com fumo de tabaco. Melhora ao ar fresco, quando vomita, com a saída de urina e fezes, ao fechar os olhos. “Remédio importante no enjoo ao andar de carro”.

Ipecacuanha: Remédio mais frequente em enjoos e vómitos. Náuseas permanentes, mesmo com o estômago vazio, não melhorando ao vomitar. Cansaço. Falta de sede e de apetite. Cara pálida. Língua limpa sem placa (frequentemente com saliva abundante). Não suporta calor. Agrava-se ao mais leve movimento. Melhora em repouso.

Cocculus: Enjoo pronunciado com tonturas e agravando-se com movimentos (tudo o que está relacionado com veículos). A criança, que necessita de Cocc, ainda consegue dizer a tempo, para parar o carro. Fraqueza generalizada, saliva abundante, aversão a alimentos, pouco suor, agrava-se com o movimento, de manhã ao levantar-se, com os cheiros de cozinha e após as refeições.

Pulsatilla: Enjoo e mau estar devido a ter comido de forma desordenada, por exemplo num aniversário de criança.

Remédios homeopáticos de Constituição / Personalidade Crianças e Bebés

Ilustração muito elucidativa, e interessante, dos Remédios homeopáticos de constituição / personalidade Crianças e Bebés





























Continua...Continua...Continua...Continua...

Remédio de constituição (ou personalidade)- Phosphurus- Homeopatia Crianças e Bebés

PHOSPHURUS
Hoje vamos falar de um importante remédio de constituição (ou personalidade). Cada um de nós tem um “perfil” homeopático e conseguimos identificá-lo se nos reconhecermos em cerca de 6 ou sete características desse perfil.
O phosphorus é um remédio homeopático, com indicações apropriadas para uma tipologia de personalidade aberta, expressiva e dando mais do que você pode.
O phosphorus é um remédio homeopático usado para tratar problemas circulatórios, como mãos frias ou membros excessivamente quentes. É muito útil para o medo e a ansiedade que provocam stress, insónia e cansaço.
É também um bom remédio para tratar problemas digestivos, como náuseas e vómitos devido a intoxicações ou nervos. Este mineral, branco ou ligeiramente amarelo é um elemento metálico que brilha no escuro e é altamente inflamável, pode ser encontrado no fosfato e em matéria viva.
A ansiedade e o medo, hemorragias e problemas circulatórios, digestivos e problemas respiratórios e dor caracterizada por dor ardente.
O indivíduo Phosphorus é definido como um homem alto e magro, com uma aparência bem torneada. O seu cabelo é geralmente preto ou com reflexos acobreados. Os Phosphorus querem bebidas frias e com gás, gelados, queijo, doces.
O indivíduo phosphorus não gosta de peixe, fruta e de tomate.
O phosphorus tem medo do escuro, de fantasmas, da morte, de doenças, de ladrões e da solidão.
Pior de manhã e à noite, deitado sobre o lado esquerdo e com o exercício físico e mental.
O phosphorus melhora com o ar frio, dormindo e deitado sobre o lado direito.
São características típicas do Phosphurus
- bebé / criança alegre e vivaça
- Extrovertida
- afectuosa e com compaixão
- tem necessidade de companhia
- Permeável a todas as sensações
- Muito sensível
- Clarividente
- tem muitos medos e receios (por exemplo durante a trovoada)
- Cansa-se depressa (mas recupera mesmo dormindo pouco tempo)
- Grande sede de água fria e cubos de gelo
- Cresce depressa demais
- todas as infecções sobem pelas vias respiratórias sensível, impressionável
- Tem muitas cócegas
- mente de forma perfeita (tem arte em mentir)
- Com muita fantasia
- tem compaixão pelos outros
- Grande amor pelos animais
- Pouco fiável, pouco pontual, esquecido, despreocupado
- Desenvolve-se cedo, cresce rapidamente, aprende cedo a gatinhar, andar e falar
- tendência para nódoas negras e sangramento do nariz
- mesmo pequenas feridas podem sangrar durante muito tempo e de forma abundante
- todos os constipados atacam o peito

Tosse Crianças e Bebés - Medicamentos Homeopáticos (Parte II)- Homeopatia Crianças e Bebés


Amonium jodatum é um agente mucolítico bem mais forte que Antimonium tartaricum. Ipecacuanha a tosse é igualmente muito húmida, provocando vómitos. Note-se que a língua fica limpa e as náuseas persistem, mas também não melhora através dos vómitos.
Coccus cacti, ao acordar logo de manhã a criança tem uma tosse húmida com mucosidades filamentosas e viscosas, que em parte são expelidas em longos fios para o chão. A tosse melhora ao beber água fria.
Causticum a criança tosse sobretudo entre as 2 e as 5 da manhã, melhora rapidamente quando bebe água fria.

Também com Cuprum a tosse, que é convulsiva, ocorre à noite por volta das 3 da manhã, fazendo com que a criança fique completamente agitada. Melhora quando bebe água fria. Hepar sulfuris a tosse é seca ou húmida, e piora com o ar frio, bastando para isso que a criança coloque a sua mão fora do calor da cama. Melhora com o ar quente e húmido.

Hep-sulf é também um remédio importante na tosse de cão, que melhora essencialmente com a inalação de vapor de água quente.

Também Spongia é um remédio importante na tosse de cão, sendo dado em alternância com Hepar sulf (C200) durante o dia. O período de agravamento é entre as 23 horas e a meia-noite, e tem-se a sensação de que a criança respira por entre uma esponja. Não é, portanto, uma tosse ruidosa dos brônquios, mas sim sibilante, sufocante e com rouquidão proveniente da laringe.

Phosphorus a tosse começa logo ao levantar, quando a criança apanha frio (tal como com Rumex). Piora também de noite quando se deita do lado esquerdo.

Com Bryonia, a tosse começa habitualmente depois de comer e beber. Piora com o movimento e o calor do quarto. Por isso, na tosse Bryonia evite quaisquer movimentações. E dada a sede intensa, deve-se apenas deslocar para beber água. Fazer forte pressão sobre o peito também alivia. Assim sendo, ao tossir a criança leva as mãos ao peito para limitar os movimentos do tórax, e para pressioná-lo controladamente. Em Bryonia o calor faz com que a tosse piore. A mãe fecha todas as janelas acreditando que o que a criança precisa é de calor, no entanto, ela continua a tossir sem parar. O mesmo acontece quando a mãe tem frio e decide encher a criança de roupa quente.

Kalium sulfuricum o período de tosse ocorre principalmente às 2 da manhã. Kal-sulf é um remédio complementar, ou seja, suplementar a Pulsatilla.

Pulsatilla é acima de tudo um remédio clássico da mulher, e suave. Pode chorar por tudo e por nada, sente falta de um ombro amigo, pede consolo, não tem sede, não tolera a gordura. É um remédio de calor, isto é, com o calor tudo piora. Tive uma paciente que me chegou com asma alérgica. Dei-lhe Pulsatilla com grandes expectativas, mas não teve efeito. Feitas novas pesquisas, descobri que as crises de asma aconteciam todas as noites pontualmente às 2 da manhã. Por conseguinte, dei-lhe Kal-sulf com um sucesso brilhante. Há três anos que não tem crises asmáticas. Isto prova que, em hipótese alguma, nos medicamentos homeopáticos se pode falar de efeito placebo, tal como apregoam os médicos convencionais. Não tendo escolhido o remédio de fundo, não obtive resultados. Apenas a escolha certa pode produzir efeitos na sua totalidade. Até mesmo quando eu trato com sucesso bebés e animais, não se pode falar de placebo.

Tosse Crianças e Bebés- Medicamentos Homeopáticos - Homeopatia Crianças e Bebés

A tosse é uma contracção espasmódica, repentina e frequentemente repetitiva da cavidade torácica, resultando em uma violenta liberação de ar dos pulmões, e geralmente acompanhada por um som característico.
A tosse é uma acção que o corpo toma para se livrar das substâncias (poeiras, bactérias, vírus, fungos e outras substâncias danosas) que estão irritando as passagens de ar na faringe, laringe, traqueia ou pulmões. Uma tosse geralmente é iniciada para limpar uma formação de fleuma (muco) na traqueia; o ar pode se mover nesta passagem a até 480 km/h (300 mph) durante a contracção. A tosse também pode ser desencadeada por uma porção de comida descendo pela traqueia ao invés do esófago, devido a uma falha da epiglote, embora isso possa resultar, no entanto, em um engasgo. A tosse crónica (ou frequente) geralmente indica a presença de uma doença. A menos que o paciente não seja um fumante e tenha um raio-X peitoral normal, a causa da tosse crónica em 93% de todos os pacientes é devido à asma, refluxo ou gotejamento pós-nasal (secreção do nariz indo na direcção dos pulmões).
(retirado wikipédia)


Rumex começa a tossir de imediato nas mudanças de temperatura, quer para muito calor quer para muito frio. Basta que a criança se movimente, corra ou mexa-se muito e logo começa a tossir, porque inspira ar gelado. O mesmo é válido para quando ela se destapa durante a noite e começa a tossir, ou quando se desloca de manhã do calor da cama para uma casa de banho fria. Na rua, reconhecemos a tosse Rumex, porque o paciente cobre a boca com um cachecol para não inspirar ar gelado.

Com Pulsatilla a tosse começa logo que a criança fica com mais calor, por exemplo, quando vai para a cama e deita a cabeça na almofada. Melhora destapando-se ou colocando-se em posição direita. Se a tosse começa imediatamente após deitar, então, antes de mais nada há que lembrar de Pulsatilla.

Nux-moschata é igualmente um remédio para quando a criança se deita a dormir e, passados apenas 10 minutos, começa a tossir por causa do calor da cama. Isto é, quando aquece na cama, fica com tosse.

Belladonna começa a tossir no seu primeiro sono, isto é, cerca de 10 minutos após adormecer.

Hyoscyamus: adormece, começa a tossir, acorda de repente e tem necessidade de se sentar para aliviar a tosse.

Sepia: tem tosse húmida durante o sono, mas não acorda.

Acidum nitricum tem tosse seca durante o sono, mas não acorda.

Kalium carbonicum fica com ataques de tosse entre as 2 e as 4 da manhã. Acorda e tem necessidade de se sentar com os braços apoiados nas coxas.

Arsenicum album, com a sua tosse e asma a criança tem medo, fica agitada, sente frio, quer calor e desperta com tosse entre a meia-noite e as 2 da manhã. Dado o estado de grande agitação em que se encontra, vê-se obrigada a sentar-se ou a levantar-se da cama, e anda de um lado para o outro apesar da falta de ar. Arsen é um dos remédios mais friorentos, isto é, o calor melhora de todas as formas, enquanto o frio piora.
Um paciente Arsen usa casacos de peles e luvas também no Verão. Mas anda com o chapéu na mão, pois na cabeça não tolera o calor.
Num eczema forte com sensação de ardência, que pede Arsen, ajudam as compressas quentes.
Drosera é o remédio de fundo para a tosse convulsa. Os acessos de tosse (predominantemente seca) ocorrem 8 a 15 vezes sucessivas, começando sobretudo após a meia-noite. Trata-se de uma tosse ruidosa (“tosse de cão”).

Em Sticta, a criança começa a tossir sem parar.

Natrium muriaticum, a tosse dura dia e noite, é relativamente húmida, e a criança tem dificuldade em respirar.

Antimonium tartaricum é um remédio para a tosse húmida. Os pulmões parecem estar repletos de muco que a criança não consegue expectorar. Por isso, é-lhe impossível ficar deitada, o que a obriga a sentar-se em posição direita.
Antimonium tartaricum é uma autêntica fábrica de muco, sem portas nem janelas, pelo que Natrium muriaticum, quando dado em alternância com Antimonium tartaricum representa a chave para as portas e janelas, permitindo a saída da expectoração.


Continua...brevemente...

Medicamentos Homeopáticos - Qual a sua origem? - Homeopatia Crianças e Bebés

Os medicamentos homeopáticos podem ser obtidos dos três reinos da natureza (mineral, vegetal e animal) bem como de substâncias industrializadas, de laboratórios biológicos e, e por vezes, de substâncias fisiológicos e patológicos (nosódios).

Reino Vegetal


É do reino vegetal que têm origem o maior número de medicamentos homeopáticos, alguns deles são bastante importantes como o Lycopodium clavatum.
A grande maioria dos medicamentos homeopáticos são originários da Europa pois foi neste continente onde nasceu a homeopatia. Com a expansão da Homeopatia pelo mundo, outros vegetais típicos de outras regiões foram, estão e serão incorporados àqueles estudados por Hahnemann e seus seguidores.
A utilização dos vegetais na preparação dos medicamentos homeopáticos deve ser precedida da perfeita individualização do vegetal (micro e macroscopicamente). Também deve-se ter o conhecimento das partes ou parte da planta a ser utilizada. Se foi feita a experimentação com a raiz de uma planta, por exemplo, é essa a parte que deve ser usada para se fazer o medicamento.


Reino Animal

O reino animal é de onde são retirados menos elementos para a preparação do medicamento homeopático, mas, ainda assim, não é menos importante.
Os mesmos cuidados referentes ao reino vegetal são exigidos aqui:perfeita individualização do animal, conhecimento da parte ou partes a serem utilizadas, época do ano, estado do animal, idade e condições em que deve recolher-se a droga, emprego do matéria vivo ou morto, fresco ou seco, local de coleta, etc.
Reino Mineral
O reino mineral é o segundo mais relevante, tendo em conta o número de medicamentos que fornece. Os produtos podem ser classificados, segundo sua origem, em:

naturais - aqueles obtidos diretamente da natureza
químicos-industriais - obtidos em laboratórios ou na industria química farmacêutica
exclusivamente homeopáticos - obtidos segundo fórmulas originais de Hahnemann.


Exemplos de medicamentos homeopáticos segundo sua origem:

Reino vegetal :


planta inteira -

Pulsatilla nigricans,



Aconitum napellus,









Belladonna.









· folhas - Rhus toxicodendron, Thuya ocidentalis.
· cascas - China officinalis (casca do caule), Rhamnus frangula (caule), Berberis vulgaris (casca da raiz).
· raiz - Ipecacuanha, Bryonia alba, Cimifuga racemosa.
· frutos ou sementes - Agnus castus, Coffea cruda, Anacardium orientale, Nux vomica.
· flores - Calendula officinalis, Cina anthelminthica, Sambucos nigra.
· produtos patológicos - Secale cornutum (esporão do centeio), Ustilago maydis (mofo do milho).
Reino animal :

· animal inteiro - Apis mellifica, Formica rufa, Blatta orientalis.
· sarcódios (secreção do animal são) - Calcarea ostrearum, Sepia tinctoria, Moschus.
· Bioterápicos - de bactérias e suas toxinas, de órgãos enfermos - Streptococcus, Tuberculinas, Pyrogenium.
· Organoterápicos - ( orgãos frescos ou secos e secreções) - Tireóide e tiroxina, ovério e foliculina, pâncreas e insulina.
Reino mineral :
· Origem natural - Kalium bichromicum, Acidum nitricum, Cuprum mettalicum, Platinum metallicum, Natrum muriaticum, Carbo animalis, Graphites, Sulphur.
· Origem industrial - Antipirina, Formalinum, Codeinum, Urotropinum.
· Exclusivamente homeopática - Hepar sulphur (sulphur mais Calcarea ostrearum calcinados), Causticum, Mercurius solubilis.

Como determinar o Medicamento adequado – Homeopatia Crianças e Bebés

Já aqui fizemos referência que, para determinar a medicação homeopática a administrar, é necessário conhecer a resposta a um conjunto de questões. Isto porque, a homeopatia não funciona como a medicina tradicional em que um medicamento serve para todos os sintomas, por muito diferentes que eles sejam, e serve para todos da mesma forma. A homeopatia é bastante “personalizada” em termos de sintomas a tratar e do que pretendemos tratar. Por isso, é importante conhecer a doença que pretendemos tratar quanto apor exemplo, a hora em que nos sentimos pior, se melhora com o calor ou frio, se queremos doces ou salgados etc.
O questionário

O questionário na homeopatia é muito importante, poruqe nos permite encontrar o remédio mais adequado.
Exemplos:
Criança com dores de garganta mas sem sinais claros, no entanto ela tem tosse, temos que saber se as dores são permanentes ou só surgem apenas quando tosse.

Ou: se a mãe diz que o filho não consegue dormir, então acho importante perguntar: a criança não consegue adormecer, ou dormir profundamente? Ela tenta evitar adormecer? O que faz quando desperta? Quer brincar? Tem medo de estar sozinha? Sente-se simplesmente aborrecida? Acorda com um pesadelo (televisão?)? Tem fome? Como são os seus gritos? Tem fome, tem medo ou dores ou é impertinente? Será eventualmente uma pessoa da noite?

Ou a mãe diz: o meu filho não consegue manter-se quieto, está constantemente agitado, é hipercinético e perde toda a concentração. A inquietação significa, por exemplo, que a criança deambula de um lado para o outro. Então, agora há que perguntar se o faz com um certo objectivo ou ao acaso. Por exemplo, uma criança corre deste canto para o outro e assim sucessivamente com o propósito de aí fazer algo. Outra faz exactamente a mesma coisa, mas não sabemos o que ela pretende fazer. Esta última fá-lo ao acaso.

Para esta situação dois remédios homeopáticos são apropriados: Tarantula e Veratrum album. A diferença é que com Veratrum album existe medo do escuro e com Tarantula não. Desta forma temos que distinguir entre os remédios que têm os mesmos sintomas, nomeadamente a agitação.

A criança reconhece os perigos? Como tem sido o seu desenvolvimento físico e emocional? Ela comunica-se bem ou fala uma língua que a própria mãe não compreende?

É agressiva ou contenta-se com tudo? Como reage quando outra criança lhe tira algo que é seu? Tenta defender-se? Procura recuperar aquilo que é seu? Bate em outras crianças e nos crescidos também? Como se comporta no infantário – e em casa? Gosta de animais, recusa-os ou tem medo deles?

Acorda em pânico durante a noite e não reconhece a mãe? Agride-se ou bate voluntariamente com a cabeça no chão? Grita durante o sono? Range os dentes? Perde a concentração na escola e vive num mundo à parte?

Aborrece-se facilmente? Diz que não a tudo? Consegue fugir e é preciso implorar no supermercado para que vá com os pais para casa?

Os hábitos alimentares também são muito importantes (bebidas frias ou quentes, como as bebe? Come presunto, ovos, alimentos ácidos, doces?).

Ou: se um pai me conta que a sogra tem uma dor ciática. A medicina convencional prescreveria um anti-inflamatório e um analgésico.

Como homeopata eu tenho que saber se a dor é do lado direito ou esquerdo, ou se alterna entre ambos os lados. Para onde é que a dor se estende? Ela piora de dia ou de noite? Quando é mais intensa, ao levantar? Agrava-se ou melhora com os movimentos, com o repouso e quando a doente se veste? A dor é pior no início do movimento? Ela precisa movimentar-se constantemente (por isso levanta-se durante a noite)? O calor piora ou melhora? A dor é pior ao baixar-se? Há sensação de surdez? Qual é o carácter da dor (ardente, intensa, dilacerante, pungente)? Em que posição se vê obrigada a dormir (de costas, do lado afectado, em posição fetal, com as pernas estendidas ou flectidas)?

É também importante interrogar-nos sobre a causa da dor, por exemplo, permanência em locais húmidos, consequência do excesso de esforço ou de transpirar e apanhar frio logo depois.

Para todos estes sintomas e modalidades existem diferentes remédios, sobre os quais nos temos que informar com clareza.

Se se for consultar com um “homeopata”, tome em atenção se ele procede da mesma forma com as interrogações. Se fizer poucas perguntas e, mesmo assim, lhe diagnosticar um medicamento, eventualmente ainda mais complexo (isto é, 10 a 15 remédios homeopáticos diferentes numa só pílula), então o melhor é fugir o mais rápido que puder, pois isso nada tem a ver com homeopatia.

Sono /Insónias Crianças e Bebés - Homeopatia

QUANTAS HORAS É NORMAL DORMIR UM BEBÉ / CRIANÇA
• o adormecer é rápido até aos 3 meses, mais prolongado entr os 9 meses e mais difícil entre os 9 meses e os 3 anos.
• o bebé dorme, em média, 20 horas quando nasce, 15 hora tem 1 ano de idade, e 11 horas quando tem 3 anos (existem ~r variações individuais).
• o recém-nascido tem um sono irregular, interrompido muita_ ao longo do dia e da noite; entre o primeiro e o segundo mé . começa a fazer um sono cada vez mais longo à noite e mannhábito da sesta até aos 3 anos de idade.
• o sonho ocupa 60% do tempo de sono ao nascer, 43% aos 3 meses,30% por volta dos 12 meses e 20% na puberdade. Portanto. o sonha bastante, o que é muito importante para o seu desenvolvimento psíquico.
• O primeiro ano é essencial na organização do sono.
• Os despertares nocturnos são frequentes: 80% dos bebés com ainda acordam a meio da noite, dos quais 60% permanecem ca sem chamarem a atenção dos pais.
• No período das 00h00 às 05h00, 30% dos bebés de 3 meses, ro bebés de 6 meses e 10% dos bebés de 1 ano não dormem! Por i o. se espante se for esse o caso do seu filho.

INSÓNIAS
Insónias agitadas: O bebé grita, agita-se e só se acalma durante r instantes. Podem surgir também balanceamentos, tiques e outras manias.
Insónias calmas: O bebé permanece de olhos abertos durante horas, silencioso e indiferente. Consulte um médico.
• A recusa em ir para a cama (dos 2 aos 5 ou 6 anos): a criança luta contra o sono, levanta-se e fica abatida após um longo período de conflito com os pais.
• Os medos e as fobias (dos 3 aos 6 ou 7 anos): medo do escuro, dos mons¬tros e de ficar sozinha. Para lutar con¬tra estes medos, a criança muitas vezes quer dormir com os pais ou tem necessidade de um ritual (de abraçar o seu ursinho de peluche ou o pano de estimação, de chupar o polegar, de várias sessões de beijinhos da mãe, de ouvir uma história lida pelo pai, etc.).
• A criança pede sobretudo mimos para se deixar levar pelo sono. Na Índia, por exemplo, as mães acariciam e massajam os filhos durante muito tempo. O ritual antes de dormir ajuda a acalmar a criança e é um momento privilegiado da relação entre pais e filhos.

MEDICAÇÃO HOMEOPÁTICA
Ambra grisea - Em caso de tendência para dormitar (o bebé não consegue adormecer profundamente); timidez; criança que fica transtor¬nada com qualquer perturbação; criança que não consegue evacuar ou urinar se alguém estiver a olhar para ela; recusa em utilizar o bacio.
Chamomilla - Em caso de agitação (a criança geme a dormir); pesadelos em que a criança mantém os olhos semiabertos; criança que acorda a gritar; cansaço e recusa em dormir; bebé que acorda zangado e que grita e chora; bebé que só se acalma se o pegam ao colo ou se o levam a passear de carro.
Belladona - Em caso de movimentação excessiva acompanhada de gemidos, sacudidelas e espasmos; tendência para se destapar a dormir; criança com muito sono que não consegue dormir; suores na testa e nas mãos; pesadelos.
Stramonium- Medo do escuro e de estar sozinho à noite; dificuldade em adormecer, a criança acorda amedrontada e não reconhece as pessoas; pesadelos; alucinações e manifestações de terror; delírio; agitação; rosto vermelho.
Hyoscyamus - Em caso de bebé que tem insónia após se ter enervado ou emocionado; bebé que tem sobressaltos, se ri e range os dentes a dormir; pesadelos; bebé que acorda sobressalto e com pavor; tendên¬cia para se despir; agressividade.
Cina - Em caso de sono agitado; tendência para se sobressaltar, gritar e ranger os dentes; criança que acorda apavorada antes da meia-noite e per¬manece aterrorizada; propensão para dormir de barriga para baixo, sobre as mãos e os joelhos; terrores impossíveis de acalmar.
Borax - Em caso de terrores nocturnos prece¬didos de estado de excitação antes de dormir; birras acompanhadas de gritos e pontapés; insónia provocada por febre; gritos durante sono; aftas na língua.
Kalium bromatum - Em caso de espírito distraído; sonambulismo; terrores nocturnos; agitação constan¬te das mãos; tendência para adormecer a mexer em qualquer coisa.

SUGESTÕES
Faça uma massagem do dedo grande do pé: com o polegar, massaje a face inferior do dedo grande, segundo o eixo, durante 5 minutos de cada lado.
Crie e mantenha um ritual: leia uma história ao seu filho, cante¬-lhe uma canção de embalar, etc. Adormecer deve ser para ele um prazer, daí a importância do clima afectivo, dos embalos e dos miminhos.
Identifique e respeite os ritmos naturais do bebé. Deixe o bebé fazer a sesta até aos 2-3 anos.
Plantas: valeriana, flor de laranjeira, escholtzia, balota, nlia e passiflora.
Complexo homeopático para as insónias: dê 1 colher de medida de manhã e à noite.
Oligoelementos: htio; bromo.

Dicas retiradas do livro “Homeopatia prática PARA BEBÉS E CRIANÇAS”- Dr. Jean-Paul Nowak e Dr. Joliot Hguyen Tan Hon – Arte Plural Edições

Os medicamentos homeopáticos e a sua relação com os órgãos:Crianças e Bebés

Exeistem medicamentos homeopáticos que têm uma relação muito específica com certos órgãos do nosso corpo

Assim, sabemos que consoante o órgão assim são adequados determinados medicamentos:

Fígado:
Lycopodium
Chelidonium
Cardius marianus

Coração:
Strophantus
Digitalis
Cactus
Crataegus

Aparelho urogenital:
Cantharis,
Sarsaparilla,
Berberis,
Equisetum

Útero:
Cimicifuga,
Caulophyllum,
Gelsemium

Pulmões:
Antimonium Tartarium,
Ammonium jodatum,
Coccus cactis,
Drosera
Phosphor,
Ipecacuanha,
Kal-carb,
Cuprum arsenicosum

Congestionamento nasal:
Kalium bichronicum,
Hydrastis,
Kalium jodatum,
Corralium rubrum,
Cinnabaris,
Mercurius jdodatus flavus,
Thuja,
Natrium carbonicum,

Pele :
Mezereum,
Graphit,
Petroleum,

Varizes :
Pulsatilla,
Hamamelis,
Aesculus,
Lachesis

Hemorróidas :
Collinsonia,
Aloe,
Ratanhia,

Ossos, cartilagens e ligamentos:
Aurum,
Ruta,
Rhus toxicodendron,
Argentum metallicum,
Symphytum,
Calcium fluoricum

Dores reumáticas:
Colchicum,
Caulo

Infecção (Inflamação) urinária - Homeopatia Crianças e Bebés

Sarsaparilla C200


Em caso de cistite este é, em cerca de 40 a 50%, um dos casos o primeiro medicamento homeopático a administrar.
Sintomas:
- dor com ardor depois de urinar;
- Fazer chichi com frequência e muito de cada vez;
- Tem dor enquanto faz chichi;
- O chichi pode vir acompanhado de sangue (devido a areia ou cálculo vesical).
- Indicado para a remoção de pedras da bexiga;
- Quando faz chichi sensação de passagem de ar pela uretra;

1º remédio em bebés e crianças pequenas.
Se a criança chora antes e enquanto urina deve dar-se também Borax, Lachesis, Nux vomica;
Atenção
O melhor medicamento homeopático para se dar a seguir ao Sarsaparilla C200 é Nux vomica, sepre que a criança / bebé quer calor na zona da barriga e genita.
Após Nux vómica dá-se Equisetum.

Cantharis
-Vontade de fazer chichi permanente e insuportável;
- cólicas dolorosas na bexiga;
- dores antes, enquanto e depois de urinar (por vezes ficam com uma sensação de “prazer”,os meninos puxam o pénis )
- dores violentas, que parecem cortar e com ardor na bexiga, uretra e até por vezes nos rins;
- pode ter sangue o chichi;
- piora quando se bebe;
- faz pouco chichi de cada vez;
- piora quando anda ou está de pé;
- melhora deitado de costas e em sossego;

Ducalmara
- há retenção da urina devido à infecção da bexiga (jovens);
- problemas aparecem geralmente depois de ter estado sentado, à noite, à beira da água;
- A infecção da bexiga deve-se a frio húmido que vai subindo;

Equisentum
-Parecido a Cantharis mas neste caso há mais muco na urina;
- Vontade de fazer chichi frequente e abundante;
- A urina é menos quente que em Cantharis;
- bom remédio na enurese (incontinência de urinas)


Continua...brevemente

Nosódios - Homeopatia para Crianças e Bebés

Os nosódios (nosodes) são tipos específicos de remédios homeopáticos preparados a partir de agentes causais ou produtos de doenças.
Na realidade são preparados a partir do produto patológico de origem animal ou vegetal como : órgãos doentes, secreções patológicas e microganismos em geral e suas toxinas. A pesquisa permitiu apresentar dados referentes aos nosódios e permitir a discussão sobre o tema. Foram utilizados bases de dados entre 1996 e 2006 sobre o tema, sendo informado que o Nosódio é um remédio homeopático, pois, é preparado segundo a farmacopéia homeopática, é indicado para um quadro semelhante àquele cuja substância é capaz de produzir, é empregado em dose oligodinâmica e é indicado como ação profilática, como tratamento ou mesmo atenuação das manifestações mórbidas.
Os Nosódios são preparados a partir de cultura de micróbios viva, com 1 a 3 bilhões de micróbios por ml na cultura ou suspensão microbiana e não esterilizada. Conserva-se assim, as energias medicamentosas integral do patógeno, virulento.
Sabe-se que na dinamização proposta (30 DH), o medicamento não apresentará riscos de contágio, somente desenvolvendo os efeitos benéficos de estímulo reacional sobre a energia vital do enfermo sendo que o nosódio vivo é preparado e dinamizado a partir de culturas de Toxoplasma gondii 30 DH ,Tripanosoma cruzzi 30 DH , Treponema pallidum 30 DH , Leishimania tegumentaris 30 DH, Streptococcus b hemolyticus Grupo A de Lancefield 30 DH , Helicobacter pylori 30 DH e Staphylococcus aureus 30 DH . Podemos concluir que o uso de nosódios é um elemento adicional ao arsenal terapêutico em homeopatia odontológica.
Outros exemplos de nosódios são Tuberculinum, Medorrihinum, Carcinosinum, Syphilinum e outros que falaremos numa próxima oportunidade.


Adapatado a partir da Fonte: http://www.webartigos.com/articles/22772/1/A---utilizacao-de-nosodios-como-arsnal-terapeutico-em-homeopatia-odontologica/pagina1.html

Cinesioterapia respiratória complemento da Homeopatia na tosse e Bronquiolites em Crianças e Bebés


A Cinesioterapia respiratória consiste num conjunto de métodos e técnicas terapêuticas, que visam a recuperação da função respiratória, nomeadamente a melhoria da ventilação pela drenagem de secreções intra-brônquicas.
Estas técnicas específicas, e adaptadas a cada situação, vão ajudar na mobilização do tórax levando assim a uma melhoria da ventilação pulmonar, para além de facilitar a drenagem das secreções que se encontram acumuladas.
A intervenção deve ser efectuada no estado inicial assim que surgem os primeiros sinais.
A cinesioterapia é fantástica quando os nossos bebés e crianças não conseguem libertar a expectoração e ela se vai acumulando.
Muitos Bebés e crianças ficam incomodados, e até choram, quando a tosse é provocada, mas isso não lhes causa dor nem os magoa. Deve ser realizada cinesioterapia conjuntamente com a medicação homeopática.
Acreditem, em complemento com a medicação homeopática, para a tosse e Bronquiolites, a Cinesioterapia respiratória é a salvação para combater a acumulação de secreções.

Quer o meu piolho, quer a minha piolha já fizeram e deu bastante resultado.

Este tipo de tratamento, como qualquer outro que envolva questões de saúde, deve ser efectuado por técnicos e pessoal qualificado para tal, neste caso fisioterapeutas e enfermeiros.

Aleitamento Materno – Bebés e Crianças - Ajuda Homeopática


Hoje um miminho especial para as mamãs que amamentam. A minha piolha fez agora 3 anos e ainda mama. É sem dúvidas das coisas fantásticas que já me aconteceram. Para além das vantagens para o bebé, é o alimento mais completo e saudável, também a mamã tira benefícios no pós parto e depois. Mas nem sempre foi assim tão bom. De início sofri bastante com dores nos mamilos, mamilos gretados, maminhas por vezes inflamadas. E quantas dúvidas nos assaltam será que o meu leite é bom, será que é suficiente, será que o bebé está a crescer bem, enfim um sem fim de serás…
Por isso, hoje aqui ficam algumas dicas para as mamãs que amamentam.
Por vezes as maminhas com as subidas do leite, e noutras situações criam inflamações, ficam tensas doridas e causam muito sofrimento.

Pois bem, muita atenção, se a dor mamária for acompanhada de traços avermelhados em direcção à axila, trata-se de um princípio de mastite, sendo necessário consultar o médico. Mesmo se tiver de tomar antibióticos (se não forem tóxicos para o bebé), não é obrigatório parar a amamentação.

Para tratar o surgimento inicial de mastite, a homeopatia pode ajudar:
Belladona - Em caso de mama dorida, quente e contraída; palpitações na mama.
Phytolacca - Em caso de febre, fadiga, agitação e dores musculares; inchaço e dor na mama.
Bufo rana - Em caso de aparecimento de traços vermelhos sobre a mama e dores que irradiam para o braço.
Hepar sulfuris - Em caso de aparecimento de sinais de forma­ção de pus.
Se necessitar de estimular a produção de leite, pode recorrer a Urtica urens . Em caso de ansiedade e medo de não ter leite, opte por Ignatia (corpo e alma)
Em caso de dor nas costas durante a amamentação tome Silicea.
Cina em caso de fadiga após perda de líquidos

Dicas retiradas do livro “Homeopatia prática PARA BEBÉS E CRIANÇAS”- Dr. Jean-Paul Nowak e Dr. Joliot Hguyen Tan Hon – Arte Plural Edições

Medicamentos Homeopáticos- Tipos / Como tomá-los

São diversas as formas sob as quais se apresentam os medicamentos homeopáticos.

As mais utilizadas são gotas ou glóbulos, no entanto existem outras como tabletes, comprimidos, pós, pomadas, cremes, óvulos, supositórios, colírios e etc.

• GOTAS- são preparadas em soluções hidroalcoólicas, de 30 a 70%..

• GLÓBULOS- são preparados de sacarose e são impregnados pela potência desejada, com álcool acima de 70%.

• TABLETES- podem ser preparados a partir de massa feita com solução hidroalcoólica com o medicamento e lactose, ou da própria trituração humedecida em solução hidroalcoólica.

• COMPRIMIDOS- são também de lactose, no entanto são feitos por máquinas industriais de alta compressão, dando um produto final duro e resistente.

• PÓS- são preparados a partir da impregnação de lactose com o medicamento prescrito (solução hidroalcoólica de 70% ou mais), ou da própria trituração inicial das substâncias. É acondicionado em papéis.

• POMADAS- compostas por lanolina e vaselina, são untuosas, e geralmente veiculam tinturas fitoterapeuticas.

• CREMES- emulsões formadas por uma base oleosa e outra aquosa, menos untuosa, também geralmente veiculam fitoterapia.

Como tomar os medicamentos Homeopáticos:
Para as crianças, bebés e adultos a toma de glóbulos de 1g (ver Como Tomar Medicação).


Colocar debaixo da língua

Medicamentos com baixas potências D2 / D4
Equinácea D2 (reforço do sistema imunitário) derreter 1 glóbulo debaixo da língua uma vez ao dia;

Alfalfa D2 (reforço do apetite) é administrado 1 glóbulo, 3 vezes ao dia debaixo da língua;

Levistivum D4 (pressão nos ouvidos provocada pela acumulação de muco, devido a constipações, gripes) derrete-se 1 glóbulo debaixo da língua de duas em duas horas.
Absinthium D2 (assim que surgem os primeiros sintomas de constipação, catarro com sensação de resfriado) derretem-se 2 glóbulos debaixo da língua de duas em duas horas até nos sentirmos melhor.

Dissolver em água e tomar de hora a hora

Casos agudos (Tosse, bronquiolite, )

Nos casos agudos, as potências C30 e C200 são dissolvidas em água e tomadas de hora a hora, um golinho da garrafa depois de agitar 3 vezes.
As potências C30 ou C200 também poderão ser dadas em casos agudos, como por exemplo de diarreia ou vómitos, primeiro colocando 1 glóbulo debaixo da língua e, posteriormente, se a diarreia ainda continuar, continuar com o medicamento dissolvido na água.
Sempre que for necessário tomar mais do que um medicamento estes devem ser administrados alternadamente hora a hora dissolvidos na água.
Em doenças crónicas, como por exemplo enxaqueca, por regra deve ser colocado um glóbulo debaixo da língua.

Nota:


As potências C1000, ou superiores, NUNCA DEVEM ser dissolvidas em água, mas sim colocadas debaixo da língua.

Medicamentos Homeopáticos- que potências usar? Crianças e Bebés

Bébes e Crianças pequenas

A potência mais adequada é C200, em casos agudos.

Crianças e Jovens adultos

São indicadas as potências C30 e C200, também em casos agudos.

Grávidas
Durante a gravidez, normalemente, a grávida deve ter tomar medicamentos apenas numa potência superior, como por exemplo a C200.


Problemas emocionais e psicológicos

Para problemas relacionados com o foro emocional e psicológico, ex: perturbações de comportamento, atrasos de desenvolvimento, atrasos de linguagem, é aconselhada a potência C1000.


Faz sentido que alguns medicamentos sejam administrados apenas na potência C200, ou eventualmente em potências superiores como por exemplo  Rhus toxicodendron, Hypericum, Nux vomica, Symphytum.


No caso de doenças relacionadas com laringites, traqueites, faringites, e bronquites, o melhor é administrar todos os medicamentos na potência C200, apenas o Aconit em C1000 quando a criança desperta assustada durante a noite e com tosse seca.

Otite Média Aguda- Homeopatia

Otite Média Aguda.

Podemos definir a Otite média aguda como uma inflamação do ouvido médio: o espaço atrás da membrana timpânica. É uma das duas condições geralmente referidas como infecções do ouvido, a outra sendo a otite externa. A otite média é muito comum na infância, e possui condições agudas e crónicas; todas envolvendo inflamação da membrana timpânica e geralmente associadas com o aparecimento de fluido no espaço atrás do tímpano, o ouvido médio. (fonte: Wikipédia )

Podemos considerar a existência de 4 grandes remédios para a Otite Média Aguda.

Aconit (11), Belladonna (42), Ferrum - Phosphoricum (111) e Apis mellifica (28).

O 1º remédio a dar é:

Aconit (11) – 1 glóbulo para a língua (Aconit C1000)

Nos primeiros sinais de uma otite, o remédio a dar é Aconit(11).

Febre alta, seca e que surge subitamente.
Provocada geralmente por: Vento seco e frio.

-Pele seca, quente e com sensação de ardor, pulso cheio.

-Dor com ardor e perfurante no ouvido, necessidade constante de engolir.

-Não tem suor, a criança está com medo e inquieta.



Geralmente não tem uma duração superior a 3 horas, a seguir existe quase sempre um outro remédio para substituir o Aconit.


Se a criança a seguir começa a transpirar cerca de 1 a 2 horas depois, o remédio seguinte será Belladonna . Quase sempre é este o remédio seguinte.

Belladonna – administrar na água (2 glóbulos garrafa de 33cl) de hora a hora.

- As dores surgem por etapas, dores pulsantes no ouvido, as dores vão e vêm .

-Suor generalizado, menos na cabeça.

-Cara vermelha e quente.

-Pés e mãos frios (extremidades frias), razão pela qual a criança quer estar tapada, apesar do calor e de estar a suar.

-Deita-se sobre o ouvido que dói ou coloca uma fralda, a mão junto ao ouvido, porque quer calor junto do ouvido.

- Tem sede de bebidas frias.

-Começa frequentemente a delirar.

-Agrava-se com a luz ou barulho, fica muito sensível.



Ferrum phosphoricum (111)

Como Belladonna.

-Dores pulsantes, prolongadas, profundamente no ouvido e cabeça, sente o bater do pulso no ouvido, geralmente com sangramento do nariz.

Cara alternadamente vermelha e pálida.

Não tão agudo, forte como Belladona.

-Prefere destapar-se com frequência.

-Orelha mais vermelha frequentemente.

-Dores menos violentas do que em Belladona

-A febre é mais baixa, apenas quer bebidas frias.


IMPORTANTE: Como muitas vezes é difícil distinguir se devemos dar Belladonna ou Ferrum phosphoricum podemos administrá-los alternadamente hora a hora (nunca os dois ao mesmo tempo)- na Belladona (C200) e Ferrum phosphoricum (C200) a criança quer calor junto ao ouvido.


Apis mellifica (28)

-A criança grita de forma estridente.

-Não quer nada junto ao ouvido, apenas frio.

-Dores em forma de picada de abelha no ouvido.



O que distingue fundamentalmente o Apis dos outros, Belladona e Ferrum phosphoricum, é que neste caso a criança não quer calor junto do ouvido (afasta tudo do ouvido).


Para além destes remédios principais existem outros que são utilizados com menor frequência:


Sanguinaria canadensis (223)

-Otite do lado direito

- A orelha de um vermelho intenso,

-Manchas vermelhas nas faces (desenhos em vermelho)


Dulcamara (102)

-Como consequência de ter apanhado uma molha, humidade

-otite média aguda com enjoo ou vómitos ao mesmo tempo, vomita ou quer vomitar.

Dar logo um glóbulo para a língua depois de alterar o quadro continua-se com os outros medicamentos descritos atrás.



Arsenicum album (32)

-Tem muito medo

- surge entre as 2 e 4h da manhã

- enfraquecida sem febre

- procura calor não só junto do ouvido, mas em todo o corpo

- tem muita sede (bebidas quentes, mas em golos pequenos)





Resumindo:

-Quando as dores de ouvidos começam, dar imediatamente Aconit, depois Belladona e Ferr-phos alternadamente, quando a criança quer calor junto do ouvido.

-Quando a criança não suporta calor junto ao ouvido, então dar Apis e Ferr-phos alternadamente.

Quando não se tem a certeza, podem ser dados os três remédios alternadamente.

Quando a dor surge subitamente durante a noite, colocar 1 glóbulo de Chamomilla (71) debaixo da língua. Quando existem dores violentas e prolongadas, dar BEN-U-RON.

Falaremos brevemente da Otite média com pus (corrimento do ouvido), que é o segundo estado após o estado agudo.

A Auto-Observação no Tratamento Homeopático

Desde que os meus piolhinhos nasceram que me preocupo em manter um registo de cada de episódio peculiar da suas vidas. Quando começaram a rir, a sentar-se, quando nasceu primeiro o dente, e por aí fora. No entanto, não me limitei a anotar estas façanhas mas cada episódio de doença, os sintomas e os medicamentos que tomavam. Se perguntarem não sei dizer porque anotava tudo isso, e muitos poderão pensar, “fazer anotações sobre quando estavam doentes? Coisa estranha!!!”. Mas, hoje, e sobretudo depois de começar com os tratamentos homeopáticos, reconheço a importância desses registos. Nas minhas pesquisas, encontrei num site um texto que quero partilhar com vocês e que fala sobre a importância da auto-observação no tratamento homeopático. A dada altura podemos ler que:

“Recomendo aos pacientes que escrevam, façam memorandos, anotem tudo. A indolência e o desleixo são obstáculos para alcançar os verdadeiros sintomas dos pacientes.” Escritos menores – James Tyler Kent

Agora fico contente por ter estas passagens registadas e tomar mais consciência da importância que podem ter.
Segundo Rosenbaum , livro “Homeopatia – Medicina sob Medida” realça a importância da descrição feita pelo doente e da mais valia que constitui a sua auto-observação para que o tratamento tenha os melhores resultados.
Segundo este autor, a auto-observação constitui é uma descrição personalizada, “consciente” e meticulosa do estado físico e psíquico da pessoa que está doente.
Todas as informações são relevantes, e os mais pequenos pormenores podem ser de grande utilidade. Assim essas descrições podem ser desde dores fora do comum, estado de humor e ânimo, sonhos, sede muito intensa, vontades esquisitas, por exemplo por um determinado alimento, horas a que lhe surgem os sintomas, – informações que devem ser tidas em conta para determinar o medicamento que melhor se adequa ao doente.

A relevância da descrição do paciente na Homeopatia

“Recomendo aos pacientes que escrevam, façam memorandos, anotem tudo. A indolência e o desleixo são obstáculos para alcançar os verdadeiros sintomas dos pacientes.” Escritos menores – James Tyler Kent

A homeopatia funciona com o princípio da semelhança, assim sendo, todos os sintomas dos pacientes são únicos e definem e orientam para o tratamento “personalizado”.

O paciente deve estar atento a tudo o que lhe acontece – tudo, desde sensações estranhas até sentimentos momentâneos:

- se gosta ou não de sal, ou se gosta mais de doce;

- se gosta mais de coisas quentes ou frias;

- uma dor fora do normal;

- se os sintomas pioram de manhã, tarde ou noite (se acompanham o sol)

- determinados sonhos que vêm desde a infância;

- sede muito intensa;

- desejos estranhos;

- se gosta de presunto;

- uma dor de cabeça que começa a determinada hora, num determinado lado;

- se transpira muito e em que parte do corpo;



Recordo-me que de início nas consultas o homeopata dos meus filhos colocava toda uma série de questões e a dada altura pergunta se o meu filho gosta de doces e se gosta de presunto. E eu respondo muito pronta gosta mas eu não o deixo comer. E Ele riu-se e disse-me “menina eu não me interessa se o deixa comer só quero saber se ele gosta”. Pois bem é mesmo isso interessa é determinar certos aspectos peculiares, características que ajudem a personalizar o tratamento, a escolher o medicamento homeopático adequado.

Os sintomas poderão ser já de há bastante tempo, desde criança, e poderão a não ter que ver com as queixas presentes.

As descrições devem ser minuciosas, por isso devemos tomar nota de tudo o nosso valioso diário, sempre mantive um desde criança. Sobretudo com o nascimento dos filhos o tempo começa a reduzir-se e algumas coisas ficam para trás e o meu diário passou a ser muitas vezes mensal ou semestral. Julgo que farei um esforço no futuro para me encontrar com ele mais vezes.

Encontrei um texto interessante sobre este tema consultem-no ,se quiserem, em

http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u469601.shtml

Remédios de Constituição - (da personalidade)

Muitas vezes o acaso permite a descoberta de importantes soluções para os problemas, Hahnemann trabalhava originalmente com fortes diluições dos seus remédios e isso provocava reacções violentas na pessoa que testava o remédio, no entanto, ele descobriu mais tarde que através da potenciação se conseguia alcançar um efeito muito mais relevante. Na realidade ele descobriu que não é a substância que constitui o medicamento mas sim a força dinâmica da substância, reforçada através da potenciação, que é conduz à cura.


O que se verificava é que a utilização de alguns medicamentos , como por exemplo Lyc, Puls, Sepia, Sulf, Nat- Mur, etc., em certas pessoas não faziam surgir apenas os sintomas da doença e suas variantes, mas também surgiam sintomas que expressavam estados de espírito e de personalidade, ou seja características individuais da personalidade dos doentes. Estes remédios representam praticamente a personalidade do doente e por isso são conhecidos geralmente por remédios de constituição.

Sugestão - livro sobre homeopatia

Hoje fica aqui a sugestão de um livro sobre homeopatia que encomendei. Depois de o ter direi mais qualquer coisa.


O livro é













Custa 5,99€
Alguns conteúdos são:

COMPREENDER A HOMEOPATIA

O que é a homeopatia?

As origens da homeopatia

Homeopatia moderna

Medicina convencional

A HOMEOPATIA EM ACÇÃO

A força vital

O autotratamento

Homeopatas de confiança

Consulta num homeopata

A origem dos remédios

Como são feitos os remédios

A potência dos remédios

AVALIAÇÃO DA SUA SAÚDE

Tipos homeopáticos

Efeitos alimentares

Exercício diário

Factores ambientais

A importância do sono

Como lidar com o stress

REMÉDIOS DE ORIGEM ANIMAL

Apis/abelha

Caníharis/cantárida

Lachesis/surucucu

Sepia/choco

Tareníula/tarântula

REMÉDIOS DE ORIGEM VEGETAL

Aconitum/acónito

Alium/cebola

Arnica

Beladonna/beladona

Bryonia/serpentária

China/quineira

Cimicifuga/cimicífuga

Coíocynthts/maçã colocíntida

Drosera/orvalhinha

Euphrasia/consolo-da-vista

Gelsemium/jasmim-amarelo

Hamamelis/hamamele

fíyperícum/erva-de-são-joão

Ignaíia/fava-de-santo-inãcio

Ledum/ládano

Rhus toxica/toxidendro

Ruta gravarruda

Thuja/cedro-branco

REMÉDIOS DE ORIGEM MINERAL

Argentium ratrícum/nitrato de prata

Arsenicum aibum/arsénio

Aurum meí/ouro

Cakarea carbónica/concha de ostra

Cakarea phosphorica/fosfato de cálcio

Carbo vegitibilis/carvão vegetal

Cuprum met/cobre

Ferrum phos/ferro

Graphites/grafite

Hepar suiph/sulfureto de cálcio

bicromato de potássio

fosfato de potássio

Merc sol/mercúrio

Phosphorus/fósforo

Sulphur/enxofre

O USO DOS REMÉDIOS

As linhas gerais

Como guardar os remédios

Como tomar os remédios

A dose certa

MOLÉSTIAS LIGEIRAS

Dores musculares

Dores articulares e ósseas

Cefaleias e enxaquecas

"Ressacas"

Dores de dentes, boca e gengivas

Dores de ouvidos

Problemas nos olhos

Febre-dos-fenos e alergias

Calvície

Moléstias da pele

Saúde feminina

TOSSES E CONSTIPAÇÕES

Constipações e gripes

Catarro e sinusite

Tosse

Moléstias da garganta

TRANSTORNOS EMOCIONAIS

Ansiedade e stress

Fúria

Cansaço e insónias

Choque e luto

Depressão

PROBLEMAS DIGESTIVOS

Indigestão

Inchaço e flatulência

Vómitos e náuseas

Diarreia e prisão de ventre

Problemas urinários

PRIMEIROS SOCORROS

Estojo de primeiros socorros

Golpes e arranhões

Queimaduras e escaldões

Picadas de insectos

Hemorragias nasais

Exaustão pelo calor

Enjoo do viajante

Entorses e distensões

Bolhas

Farpas